Sim, viemos para mudar!

08 de novembro de 2016

Mudamos tudo e mudamos todos. Mudamos por necessidade, por ansiedade ou por vontade. Mudamos porque o mundo nos muda. E nós podemos mudar o mundo.

Mudamos porque somos a geração de jovens marcada pela revolução tecnológica que provocou grandes movimentos de globalização, promovendo conexões constantes em todas as esferas. Movimentos que nos mudam o tempo todo.

Movimentos que, pela conectabilidade e pela multiculturalidade, nos tornam a geração mais plural da história, impulsionada pelas iniciativas independentes e pela facilidade da comunicação digital. Um mundo de oportunidades é criado a partir dessas conexões, que são sempre permeadas pela consciência coletiva e pela mentalidade inovadora que nos incentiva a ir além, a testar o novo, a fazer o futuro acontecer agora.

Isso tem reflexo na forma como nos relacionamos, seja no nosso dia-a-dia e nas nossas relações pessoais, seja na conexão entre as cidades e as comunidades ou nas nossas diferentes maneiras de experienciar as coisas.

A velocidade com que nos conectamos com o mundo também está mudando a forma como consumimos arte e entretenimento, e os eventos de música são locais desta transformação: arte-entretenimento, entretenimento-arte. Além de buscar formatos e espaços cada vez mais diversos para a nossa expressão cultural, desejamos uma experiência cada vez mais completa nestes ambientes.

A tecnologia tem um papel importante na construção desses novos hábitos: temos uma variedade imensa de eventos e de artistas diferentes na palma da mão. Temos acesso a uma variedade de escolhas incríveis, que nos faz mudar de direção a todo o momento, sem apego ao passado, porque o mais importante é curtir e viver o agora.

Mas, mesmo com o universo inteiro a um toque de distância, ainda enfrentamos um problema que perpassa gerações e barreiras geográficas: as filas. É fila para entrar, para comprar e retirar bebida… e, quando percebemos, passamos mais tempo em filas do que curtindo a música. As filas só desvalorizam o que mais desejamos: a experiência. Por isso, para gerar conexões únicas e inovadoras tanto para as pessoas quanto para os produtores, é preciso evoluir com as mudanças e ultrapassar essas barreiras.

Para fazer isso, acreditamos na intersecção entre arte e tecnologia, dois marcos importantes da nossa geração que têm capacidade de transformar a maneira como interagimos. É a crença nessa intersecção que nos permite desafiar o status quo para gerar melhores experiências nestes ambientes, descomplicando processos e utilizando conexões para facilitar a aproximação com a música nos clubs, festivais e produções independentes.

 

 

Foi a partir deste problema que surgiu a ONNI, o primeiro aplicativo do Brasil que une a compra de ingresso e de consumo. Nosso objetivo é colocar o usuário também em primeiro: o primeiro a ser atendido em suas opções de arte e entretenimento. Somos uma startup que elimina as filas de clubs, festivais e produções independentes, desburocratizando as operações e aproximando o público da arte. Utilizamos as possibilidades de um mundo conectado para dar lugar ao que realmente importa: a música, a primeira é uma das mais acessíveis expressões artísticas da humanidade, que nos conecta, nos modifica e nos representa a todo o momento, em todos os lugares.

Assim, o aplicativo da ONNI dá ao usuário a liberdade de comprar ingresso e consumo a qualquer hora, antes e durante o evento. No cadastro do app, é possível escolher os gêneros musicais favoritos e receber as sugestões dos melhores eventos por geolocalização. Depois de realizar a compra, é só apresentar o código gerado para validar a entrada ou para retirar o consumo.

Do outro lado, os clubs e produtores se cadastram e recebem um login e senha para validar os códigos das compras dos usuários. Contam ainda com uma plataforma de gestão e de análise de resultados pós-evento, na qual podem realizar promoções instantâneas e se comunicar com o público enquanto o evento acontece.

O projeto, que agora se torna realidade, foi criado e viabilizado pela união de um grupo de pessoas inquietas, de investidores e de parceiros que acreditam nas transformações que queremos fazer na forma como interagimos com a música. Nossa missão é ultrapassar barreiras e propor novas ideias na cena cultural, artística e tecnológica.

O lançamento do aplicativo ONNI acontece no início de dezembro, quando o app fica disponível para download gratuito. Para comemorar o lançamento, apresentamos uma experiência multissensorial com artistas nacionais e internacionais no estacionamento subterrâneo da Fundação Iberê Camargo, um dos mais importantes centros culturais do país, localizado na zona sul de Porto Alegre. A ONNI propõe a ressignificação desse espaço a partir do encontro entre música, arte visual e tecnologia, incentivando a reflexão sobre a produção artística contemporânea.

 

Lara Taufe